(19) 3012.9682WhatsApp: (19) 99179.8258 | 99192.9319 | 99200.2844

Dicas para uma boa impressão em offset

Padrões de

Cores:

No processo de impressão, as gráficas utilizam tintas CMYK na escala Europa (abreviação de Ciano, Magenta, Amarelo e Preto, e pronuncia-se ‘cemiki’). Para a impressão de cores especiais como Pantone®, exemplo: prata, dourado ou luminescentes, as cores devem respeitam um código universal, ocorrendo mais separações a cada cor espcial. Caso contrário as cores especiais serão convertidas automaticamente para CMYK e poderão apresentar variação de tonalidade em relação às cores especiais.

Fontes ou

Fontes:

O principal motivo de atraso na impressão, desde que foi criada a editoração eletrônica, ocorre quando a gráfica ou o CTP não possue as fontes utilizadas no trabalho do cliente. Na maioria dos casos ocorre a substituição automática das fontes, perdendo-se as chapas ou todo o trabalho impresso. Temos uma biblioteca de fontes completa e atualizada, mas mesmo assim é comum aparecer um arquivo ou outro que apresenta uma fonte diferente que não está presente em nossa biblioteca de fontes e isso pode comprometer o prazo de entrega do projeto.

Como evitar problemas com substituição de fontes em arquivos:
Para resolver este problema, tornou-se padrão para os profissionais de editoração a conversão de todas as fontes em curvas.

Seu arquivo não terá fontes substituídas em relação aos textos que você transformou em curvas.*

*IMPORTANTE: Este procedimento impede a edição futura utilizando a mesma digitação. Caso tenha que alterar futuramente o arquivo recomendamos gravar os arquivos das fontes utilizadas (*.ttf). Por exemplo no caso do Corel Draw em qualquer versão, podemos fazer automatizado, no menu “Arquivo”, clique na opção “Preparar para bureau de serviços”, posteriormente é só seguir as informações na tela, selecionar a pasta com os arquivos reunidos e nos enviar.

Melhor

Resolução:

Para imagens e fotos, 300 a 350dpi é realmente suficiente, mas quando você converte o texto junto com as imagens ele ficará serrilhado, por isto pedimos que os arquivos sejam enviados em 600dpi evitando o serrilhamento do texto.

Minidicionário

Mais Dicas

Resolução representa a qualidade que a imagem possui em um determinado tamanho. É frequentemente medida em Pixels por Polegada, na sigla em inglês (DPI). Quanto mais DPI´s a imagem tiver, mais qualidade ela terá. Imagens em alta resolução tem no mínimo 300 dpi. Aconselhamos que imagens para impressão offset tenham no mínimo 150 dpi.

É um tipo de arquivo que comprime o tamanho em Mega Bytes de uma imagem. Por exemplo, uma imagem em TIFF com 20Mb, poderá ficar com 2Mb no formato JPEG. Isso facilita o envio por e-mail por exemplo.

Mega Bytes ou MB são referências de tamanhos de arquivos. A unidade de medida é o byte. Assim 1.000 bytes é igual a 1 Kb (kylobyte); 1.000 Kb são 1 Mb (Megabyte) e 1.000 Mb são 1 Gb (Gigabyte) e 1.000 Gb são 1 Tb (Terabyte).

Sangrar o arquivo é fazer com que cores, fotos e elementos que serão impressos ultrapassem os limites de corte do papel para que não fiquem aparecendo filetes brancos devido a um mau acabamento ou refilamento.

CTP é um processo computadorizado de gravação das chapas usadas na impressão offset. A chapa é gravada através de laser, que é controlado por um computador, de forma similar às impressoras laser. Isto permite que a chapa seja gerada diretamente de um arquivo digital, sem a necessidade da produção de um fotolito intermediário.

RGB é a abreviatura do sistema de cores aditivas formado por Vermelho (Red), Verde (Green) e Azul (Blue). O propósito principal do sistema RGB é a reprodução de cores em dispositivos eletrônicos como monitores de TV e computador, “datashows”, scanners e câmeras digitais, assim como na fotografia tradicional. Em contraposição, impressoras utilizam o modelo CMYK de cores subtrativas. Fonte: wikipedia.org

  • PDF: Tipo de arquivo que permite capturar e visualizar informações consistentes (a partir de quase todo aplicativo ou sistema operacional) e compartilhá-las praticamente com qualquer pessoa e em qualquer lugar. Este tipo de arquivo mantém a mesma aparência dos documentos originais e preservam as informações dos arquivos de origem (texto, desenhos, 3D, mapas, ilustrações em cores, fotos e até mesmo lógica empresarial) independentemente do aplicativo utilizado para criá-las.
  • JPG, TIF, GIF, CPT (Corel Photo Paint), PSD (Adobe Photoshop): Formatos de imagem, onde cada um é utilizado para uma finalidade, dada a qualidade e resolução que diferenciam entre si. Ideal somente serem utilizados para fotos.
  • CDR (Corel Draw), AI (Adobe Illustrator): São extensões de arquivos de projetos vetorizados (curvas, retângulos, textos, entre outros elementos do projeto).
  • EPS (Encapsulated Postscript): Arquivo de vetor, similar ao “AI” ou “CDR”, porém fechado e com critérios personalizados.
  • DOC(X) (Word 95 / 97 / 2000 / XP / 2003 / 2007), XLS(X) (Excel 95 / 97 / 2000 / XP / 2003 / 2007), PPT(X) (Power Point 95 / 97 / 2000 / XP / 2003 / 2007): São arquivos de editoração com baixo nível técnico para aproveitamento em impressões offset ou digital. Raramente consegue-se sucesso sem adaptações severas para obeter melhor qualidade nas impressões.

Blister é o nome da embalagem no formato de cartela. Composta por um papel cartão ou filme plástico que serve de base para a fixação do produto dentro de uma bolha plástica (o blister) normalmente com o formato dos contornos do produto.
A palavra blister vem do Inglês e significa bolha.

Essa bolha é moldada pelos processos de Vacuum Forming ou Termoformagem utilizando-se de filmes plásticos de PVC ou PET, com espessuras que variam de 0,15 mm a 0,60 mm. Esses dois materiais oferecem melhor transparência do que os demais plásticos.

A aderência do plástico no cartão é feita pelo Verniz de Blister, utilizando-se uma máquina (prensa) seladora de blister.

Utiliza-se blister para embalar produtos como escovas dentais, pilhas de rádio, brinquedos de pequeno porte, componentes elétricos e eletrônicos e uma infinidade de outros produtos.

Existe uma outra embalagem no formato de cartela que recebe o nome de Skin (pele). Um papel cartão serve de suporte para o produto.

Inicialmente os produtos são colocados sobre esse cartão e introduzidos na máquina. Um filme plástico de PVC ou PET é aquecido e sugado por vácuo sobre os produtos. Ele toma a forma do produto e adere ao cartão ao seu redor.

Após sair da máquina o cartão é recortado para formar as cartelas individuais. A aderência é feita pelo Verniz de Skin.

A embalagem Skin é utilizada para produtos que não requerem o acabamento do blister, como ferragens em geral. Tem a vantagem de dispensar o molde necessário para se produzir a bolha e também a máquina de selar a bolha no cartão.

© 2018 Gráfica Kairós. Todos os direitos reservados.